Renato (Tato) Giovannoni é um homem com algo de renascentista. Nascido no Panamá, uma pequena cidade na costa argentina, esse urso alegre trabalha desde os 12 anos, quando ajudava lavando pratos no restaurante do seu pai. Aos 18, ele se mudou para Buenos Aires para aprender design gráfico. Durante esse período, ele trabalhou a maioria das noites como barman em boates da cidade para ganhar um dinheiro extra e, quando terminou os estudos,
foi selecionado pelo Gran Bar Danzon, um dos melhores e mais populares bares de Buenos Aires. Foi lá que ele aprendeu o negócio de coquetéis e, por fora, fazia branding ajudando outras pessoas a criarem seus projetos.

Em 2013, Giovannoni montou seu próprio bar, o Floreria Atlantico, que imediatamente entrou na lista das 50 Melhores Bares do mundo, e lançou três bebidas no mercado – o gin Principe de Los Apostoles e o mix de cervejas Pulpo Blanco, com tônica e gengibre. Ele sente que ter estudado publicidade o deu uma boa perspectiva.

 

“Eu preciso achar um conceito em tudo, sem isso eu simplesmente não consigo trabalhar. Eu tiro inspiração de muitas coisas – amor, chuva, oceano, imigração, cidades, pessoas e canções. Eu levei mais de 10 anos para terminar a receita de alguns coquetéis!”, diz.

 

 

Giovannoni se mudou para o Rio de Janeiro em 2014 para abrir um bar novo na praia da Barra, chamado Atalântico, e agora divide seu tempo entre a Argentina e o Brasil. Ele está no processo de lançamento do novo gin Amazzaoni, que é produzido, em uma fazendo de 300 anos no estado do Rio de Janeiro e influenciado por ingredientes provenientes da floresta amazônica. Giovannoni, que desenvolveu o gin com dois parceiros brasileiros, Arturo Isola e Alexandre Mazza, explica o processo:

 

Amázzoni Gin

 

“No primeiro dia de trabalho, eu lembro de ter ido na casa do Alexandre, onde ele estava esperando com Arturo e 34 botânicos, a maioria deles do Amazonas. Desde o início queríamos criar um gin com corpo britânico e alma muito brasileira. Adoro o desafio de vir para um país que não é meu e experimentar com botânicos para aprender com eles e entender como alguns sabores podem trabalhar juntos”.

 

Amázzoni Gin

 

Quanto ao futuro, Giovannoni está ocupado como sempre, mirando em exportar seus produtos ao redor do mundo.”Eu gosto de estar ativo e criando, então estou lançando duas cervejas na Argentina, além de um vermute seco e um doce em colaboração com Matias Michelin, um dos melhores produtores de vinho da Argentina, que está voltando à cena. Gostaria também de expandir o conceito de bar Atlântico, com bares em outros países, como
EUA ou Europa”.

 

Alexandre Mazza, Tatto Giovannoni, Arturo Isola, os alquimista
Alexandre Mazza, Tatto Giovannoni, Arturo Isola, os alquimistas

Para mais informações: www.amazzonigin.com

Fotografia: Acervo Amázzoni Gim

Renato (Tato) Giovannoni is something of a renaissance man. Born in Panamá, a small town on the Argentinian coast, this cheerful bear of a man worked his way up the ranks helping out at his father’s restaurant from washing dishes at the age of 12. At 18, he moved to Buenos Aires to train as a graphic designer. During that time he worked most nights as a bartender at clubs in the city to earn extra cash and when he finished his studies he was taken on by Gran Bar Danzon, one of Buenos Aires’s best and most popular bars. It was here he learned the cocktail trade and helped others set up their own places with branding projects on the side.

In 2013, Giovannoni set up his own bar, Floreria Atlantico, which instantly entered the international World’s 50 Best Bars list and launched three drinks on the market – the Gin Principe de Los Apostoles gin and the Pulpo Blanco tonic and ginger ale mixers. He feels studying advertising gave him a good perspective,

“I need to find a concept in everything, without that I simply can’t work. I get inspiration from many things – love, rain, the ocean, immigration, cities, people and songs. There are some cocktails that took me 10 years to finish the recipe!”

 

 

Giovannoni moved to Rio de Janeiro in 2014 to open a new bar on the beach at Barra called Atalântico and now splits his time between Argentina and Brazil. He is in the process of launching Amazzaoni new gin that is produced in Rio de Janeiro state and takes its cues from ingredients sourced in the Amazon forest. Having developed the gin with two Brazilian partners, Arturo Isola and Alexandre Mazza, Giovannoni explains the process:

 

On the first day of work I remember getting to Alexandre’s house where he was waiting with Arturo and 34 botanicals, most of them from the Amazonas. From the beginning we wanted to build a gin with a British body and a very Brazilian soul. I love the challenge of coming to a new country that is not my own and experimenting with botanicals to learn from them and understand how some flavours can work together.

 

 

As for the future, Giovannoni is as busy as ever with his eyes on exporting his products around the world, “I like to be active and creating so I’m launching two beers in Argentina in addition to a dry and a sweet vermouth in collaboration with Matias Michelin, one of the best and wine makers in Argentina that is having a comeback. I would also like to expand the Atlantico bar concept with bars in other countries, like the US or Europe”.

 

Alexandre Mazza, Tatto Giovannoni, Arturo Isola, the alchemists

For more information: www.amazzonigin.com

Photography: Amázzoni Gim Archive